Projeto ForPharmacy: a tecnologia ao serviço da saúde

Autores

  • Artemisa R Dores Laboratório de Reabilitação Psicossocial, Centro de Investigação em Reabilitação (CIR), Escola Superior de Saúde, Instituto Politécnico do Porto, Portugal.
  • Miguel Peixoto Laboratório de Reabilitação Psicossocial, Centro de Investigação em Reabilitação (CIR), Escola Superior de Saúde, Instituto Politécnico do Porto, Portugal.
  • António Marques Laboratório de Reabilitação Psicossocial, Centro de Investigação em Reabilitação (CIR), Escola Superior de Saúde, Instituto Politécnico do Porto, Portugal.

DOI:

https://doi.org/10.51126/revsalus.v5iSup.525

Palavras-chave:

Farmácia comunitária, interação fármaco-suplemento/fitoterápico, inteligência artificial, sistema de apoio à decisão

Resumo

Introdução: As farmácias comunitárias são o último elo da cadeia da dispensa do medicamento. Estão também na linha da frente na procura de aconselhamento, beneficiando da sua ampla implantação e proximidade das comunidades. Apesar da qualidade dos serviços existentes, estes podem ser potenciados através das Tecnologias da Informação e da Comunicação e da Inteligência Artificial. O projeto ForPharmacy pretende desenvolver soluções tecnológicas inovadoras que permitam novos e melhores serviços, a partir da perceção dos profissionais da farmácia (farmacêuticos e técnicos de farmácia) das necessidades e potencialidades destes espaços de saúde (ForPharmacy Project, 2022). Objetivos: Neste trabalho propomos apresentar os resultados de um diagnóstico de necessidades relativas ao papel das farmácias e à prestação de serviços inovadores, desenvolvido no âmbito do projeto ForPharmacy. Material e Métodos: O diagnóstico de necessidades foi realizado através de grupos focais online, a profissionais da farmácia, segundo métodos participativos. Foram efetuados quatro grupos focais, cada um com seis participantes, com a duração de 1h30min. Estes representam a diversidade territorial do país (Portugal), em termos geográficos e de tipos de farmácias (e.g., rurais, urbanas). As sessões foram gravadas e transcritas verbatim, antes de se proceder à análise indutiva (Maguire et al., 2017), realizada por dois investigadores independentes. Situações de desacordo foram resolvidas por um terceiro, especialista na área. Resultados: Após uma análise de conteúdo, foram encontradas três categorias principais: a) Papel das Farmácias; b) Potencialidades; c) Inovação dos Serviços. Em relação a esta última, foram identificadas como subcategorias as condições necessárias para a implantação de novos serviços, as possíveis dificuldades na sua implementação, e os requisitos para que novos serviços possam emergir. As categorias e respetivas subcategorias refletem o papel das farmácias, a partir das perceções e significados apresentados pelos profissionais desta área. Assim como, o reconhecimento da necessidade de soluções inovadoras que propõem, de acordo com a sua experiência profissional. Conclusões: As soluções tecnológicas em desenvolvimento (Martins et al., 2022), permitirão às farmácias a oferta de novos serviços, que se pretende que melhorem o acesso dos utentes, a sua segurança, o aconselhamento, a monitorização da terapêutica, e de possíveis reações adversas e de interações, designadamente fármaco-suplemento/fitoterápico.

Downloads

Publicado

2023-06-29

Como Citar

Projeto ForPharmacy: a tecnologia ao serviço da saúde. (2023). RevSALUS - Revista Científica Internacional Da Rede Académica Das Ciências Da Saúde Da Lusofonia, 5(Sup), 19-20. https://doi.org/10.51126/revsalus.v5iSup.525

Artigos Similares

1-10 de 576

Também poderá iniciar uma pesquisa avançada de similaridade para este artigo.

Artigos mais lidos do(s) mesmo(s) autor(es)